Brincar é um direito da criança

O Dia Internacional do Brincar é comemorado em 28 de maio, data em que se busca relembrar o direito de brincar, garantido no artigo 31º da Convenção sobre os Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas – ONU. Segundo Camila da Silva Ferrão, psicóloga do Programa do Dedica – Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, desenvolvido e mantido pelos Amigos do Hospital de Clínicas, as mudanças na sociedade são constantes e afetam também várias esferas da vida humana, “inclusive o conceito que se tem da criança e do adolescente tem muito a ver com o contexto histórico e social da atualidade”, ressalta a psicóloga.

Camila destaca que a era virtual tem afetado não somente a forma de brincar, como a maneira como as crianças de hoje se desenvolvem. Atualmente, é comum que as crianças entrem na escola cada vez mais cedo e isso tem feito com que seja exigido dela novos conhecimentos de uma forma mais rigorosa. “Além disso, as crianças desde muito pequenas já são incentivadas a terem uma agenda repleta de atividades que tomam praticamente todo o seu tempo. São também cobradas a darem resultados e a competirem com seus colegas, como se desde cedo estivessem sendo preparadas para enfrentarem o universo competitivo do trabalho e das relações humanas”, explica a psicóloga do Dedica.

 

A importância do brincar

É brincando que a criança apreende o que lhe foi transmitido pelos pais e demais cuidadores, além de colocar em cena seus medos, suas fantasias e seus desejos. “Nesta construção a criança não apenas reproduz a vida real, mas também cria suas condições ideais e, assim, reordena seu mundo ao mesmo passo em que se desenvolve”, explica a psicóloga Camila.

Porém, brincar é algo que a criança aprende com o convívio com outras pessoas, sejam crianças ou adultos. O brincar precisa ser incentivado, principalmente pelas pessoas que têm mais vínculo afetivo com a criança. Camila reforça que na brincadeira a criança vive muita emoção e tratará seus brinquedos como se eles fossem um espelho do afeto que elas recebem.

Camila detalha que é fundamental que se brinque com as crianças e que suas brincadeiras sejam levadas à sério. Neste espaço de brincadeiras, elas podem se expressar de maneira livre, bem como explorar novas possibilidades e elaborar seus próprios impasses. Mas atualmente, segundo a psicóloga do Dedica, temos um cenário desfavorável para as brincadeiras infantis tradicionais que vêm sendo substituídas cada vez mais precocemente por uma outra forma de brincar, mediada por aparelhos eletrônicos. A psicóloga questiona quanto esses “novos brinquedos” cumprem as mesmas funções que os brinquedos não tão modernos.

Acompanhe nossas notícias, projetos, eventos e tudo mais!
Parceiros
Fertipar Fertilizantes
CNA – Inglês Definitivo
Tintas Darka
Instituto Grpcom
RPC
Tribuna do Paraná
Gazeta do Povo
Wizo
Vivas
Tif
Urbs
Unimed Curitiba
Thalia
Solivan
Sinpacel
Sindvest
Sindilojas Curitiba
Sesi
Patio Batel
Net TV
MM Eventos
MegaMania
Madero
LaVioletera
Kamifio
JetSet
Instituto TMO
INSTITUTO RIC
EMBELLEZE
INEPAR
IBEMA
HCUFPR
RIC
BAND
FURUKAWA
FECOMERCIO
EXTRAMED
ESPAÇO GOURMET
ESAL FLORES
CLUBE CURITIBANO
CINI
CERTO SABOR
CEDCA PARANÁ
Carraro
Bem Valente
Artestil
Almeida Lopes
O Boticário
Expoente
Gazeta do Povo