Projeto DEDICA é modelo no Brasil no tratamento à crianças e adolescentes vítimas de violência grave e gravíssima

O DEDICA – Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente-PR surgiu em 2004, como um projeto para atendimento à crianças e adolescentes que sofrem violências graves e gravíssimas, por meio do trabalho de profissionais voluntários, dentro do Hospital de Clínicas de Curitiba. O serviço incluía o atendimento interdisciplinar, voluntário, em um dia da semana, às vítimas, responsáveis e agressores – estes últimos quando passíveis de tratamento. No entanto, o serviço foi suspenso em meados de 2014 e muitas crianças e adolescentes ficaram sem atendimento.
Foi aí que, por iniciativa da Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas da UFPR, o projeto foi levado e aprovado pelo CEDCA, o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, em 2013 e 2014. O DEDICA reiniciou seus trabalhos no final de 2016, com uma sede própria a duas quadras do HC, com o objetivo principal de atender crianças e adolescentes vítimas de violência grave e gravíssima, tanto física, como psíquica, sexual e casos de negligência. O programa inclui o tratamento dos responsáveis e agressores e dos encaminhamentos para medidas legais e de proteção, além de manter um programa de educação continuada para o enfrentamento da violência para profissionais que atuam com crianças e adolescentes das mais diversas áreas.
Como funciona o tratamento?
No DEDICA as crianças e adolescentes são encaminhados principalmente pelo Hospital de Clínicas, Conselhos Tutelares, Delegacias e Varas de Proteção e de Crimes contra a Infância e Juventude. Lá elas são levadas aos cuidados da equipe comandada pela doutora Luci Pfeiffer, que tem doutorado em Saúde da Criança e do Adolescente pela UFPR com o tema da violência contra crianças, defendido em 2011, e é a coordenadora do DEDICA. “O serviço desenvolvido pela equipe multidisciplinar do DEDICA era realizado em um espaço dentro do HC, uma vez por semana, mas a demanda só aumentou nos dez anos de atendimento e o diagnóstico foi o de que havia a necessidade de dar atenção diária às crianças e aos adolescentes vítimas de violências e também às suas famílias e agressores (na violência doméstica)”, conta a Dra. Luci Pfeiffer.
De acordo com a coordenadora do DEDICA, a média tem sido de cinco a oito novos casos graves ou gravíssimos por semana. “Mais de 90% desses casos acontecem dentro de casa, com pai e mãe, ou responsáveis, sendo os maiores agressores. Por isso o tratamento realizado pelas equipes do programa é tão importante para recuperar essas famílias doentes pela violência e dar acolhimento às crianças por meio de tratamento clínico, psicológico, psicanalítico e do serviço social. Esta assistência se estende ao diagnóstico geral da situação de violência, definição das pessoas envolvidas na violência, seja como vítimas, seja como agressores, a serem tratadas, elaboração de laudos e pareceres e embasamento das medidas legais cabíveis a cada caso, quando necessário”, explica a Dra. Luci Pfeiffer.
A partir das primeiras avaliações a vítima, seus responsáveis e agressores (quando passíveis de tratamento), entram para o acompanhamento psicológico ou psicanalítico, em sessões no mínimo semanais. “As primeiras escutas e avaliações são bastante complexas, porque é difícil até imaginar que o mundo adulto possa maltratar tanto seus descendentes ou dependentes. Mas, quando vemos os resultados e a resposta das crianças com a retomada de seu desenvolvimento e alegria de viver, sabemos que interromper o ciclo da violência e tratar das suas razões e danos já causados é o caminho certo. O foco no DEDICA é o enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes, na maioria dos casos reféns indefesos de seus agressores. O programa visa a assistência interdisciplinar, o diagnóstico das situações de violências graves e gravíssimas e a educação continuada sobre o tema, em todas as suas interfaces. Trabalhamos sob os princípios da bioética e sabemos que, em boa parte dos casos, é possível a interrupção da violência e a reestruturação familiar”, enfatiza a coordenadora do programa.

Congressos internacionais
No final de junho e começo de julho a Dra. Luci Pfeiffer participa de dois importantes simpósios internacionais, nos quais vai apresentar ao mundo o trabalho desenvolvido pela equipe do DEDICA. Primeiro em Buenos Aires, no XI Congresso Latino-Americano e do Caribe de Bioética, que acontece de de 22 a 24/06 e em seguida em Paris, de 05 a 08/07, no V Seminário Internacional Transdiciplinar Sobre o Bebê. “Em Buenos Aires minha palestra será focada no Programa DEDICA, sua proposta e o trabalho desenvolvido, bem como a ética necessária dentro do tratamento, por se tratar de casos extremamente delicados, sem que haja um pré-julgamento”, explica a coordenadora.
Já na França ela vai apresentar um trabalho sobre os sinais de alerta na gravidez e primeiros meses de vida dos bebês de ausência ou perda de vínculos mãe/bebê, como um caminho para a violência. Tanto a gestante vai contar através de seus desconforto, dores, manifestações exacerbadas da gravidez, entre outros sinais. Para o bebê resta a insegurança e o desafeto , nascido sem lugar naquela família , como falta de vínculo com a mãe, alteração do sono e choro sem motivo aparente, não aceitação das mamadas, que podem ser indicíos de maus tratos, tanto na gestação quanto nos primeiros dias de vida.

Acompanhe nossas notícias, projetos, eventos e tudo mais!
Parceiros
Fertipar Fertilizantes
CNA – Inglês Definitivo
Tintas Darka
Instituto Grpcom
RPC
Tribuna do Paraná
Gazeta do Povo
Wizo
Vivas
Tif
Urbs
Unimed Curitiba
Thalia
Solivan
Sinpacel
Sindvest
Sindilojas Curitiba
Sesi
Patio Batel
Net TV
MM Eventos
MegaMania
Madero
LaVioletera
Kamifio
JetSet
Instituto TMO
INSTITUTO RIC
EMBELLEZE
INEPAR
IBEMA
HCUFPR
RIC
BAND
FURUKAWA
FECOMERCIO
EXTRAMED
ESPAÇO GOURMET
ESAL FLORES
CLUBE CURITIBANO
CINI
CERTO SABOR
CEDCA PARANÁ
Carraro
Bem Valente
Artestil
Almeida Lopes
O Boticário
Expoente
Gazeta do Povo